Na Hora do Voto

Na hora do voto!

O exercício do voto é uma convocação para constituir autoridades.

Deus está em todas as áreas da vida humana.

A solução para a má política é a boa política. De nada adiantará ficarmos paralisados pela desilusão ou omissão política. É muito fácil hoje perder a esperança, cair no desânimo ou cinismo. Isso apenas deixa a democracia a mercê de aproveitadores e abre o caminho para soluções não democráticas. Uma das virtudes mais necessárias hoje, portanto, é DISCERNIMENTO. Precisamos de olhos acostumados aos padrões do reino de Deus.

Quem tem olhos para ver, veja. Temos de enviar ao Planalto, às Assembleias legislativas e ao Congresso, pessoas que não tenham medo de fazer justiça, amar a misericórdia e andar humildemente com Deus. Não podemos perder a esperança numa perspectiva pessimista achando que o mundo não melhorará em nenhum aspecto. Como cristãos esperamos novos céus e nova terra, mas também acreditamos na possibilidade de transformação na história inclusive pela influência e ação do cristianismo como sal da terra e luz do mundo. Seria irresponsabilidade não deixarmos a nossa contribuição deixando um bom legado para as gerações vindouras. Paradoxalmente a boa escolha passa pela DESCONFIANÇA.

Qualquer ser humano é pecador. Não seja ingênuo. Comece desconfiando de messianismos, salvadores da pátria, iluminados, vendedores de votos, promessas mirabolantes ainda que feitas em nome de Deus.

Precisamos saber dos candidatos COMO pretendem enfrentar definitivamente os problemas da previdência social falida, da dívida pública que ultrapassa os 77% do PIB, carga tributária de 32% do PIB que não é revertida em serviço social de qualidade, desemprego que atinge 13 milhões de pessoas, programas sociais para minimizar o sofrimento de 52 milhões de brasileiros que vivem abaixo da linha da pobreza, ou seja, que sobrevivem com renda mensal de R$ 387,00 mês. A violência, pois, morrem mais de 60 mil pessoas por ano somente por homicídio e os problemas das drogas, mobilidade urbana, educação, dentre outros.

Ainda temos de tomar cuidado com o poder da mídia manipuladora que diz o que quer e a maioria não suspeita o contrário.

Façamos a nossa parte!

 

Pr. Onésimo F. da Silva

Presidente do Conselho Geral da IEAB